Individualização de hidrômetro


A água em qualquer condomínio é foco das atenções: o alto consumo a coloca como um dos vilões das taxas condominiais, estando entre os itens de mais alto valor, e a injustiça da cobrança em partes iguais desagrada à maioria dos moradores, onde muitos pagam pelo desperdício de alguns, incentivando a inadimplência e o alto consumo.

Como se isto não bastasse, o síndico ainda precisa equilibrar as contas do condomínio e evitar que a água de todos seja cortada por causa de poucos. Soma-se a isso a despreocupação com os vazamentos: motivada pelo rateio em partes iguais, a maioria dos moradores não se preocupa com uma torneira pingando ou uma descarga vazando, acarretando em aumento da conta de água do condomínio.

Nesse ambiente hostil, a individualização do hidrômetro aparece como um elemento que agradará à maioria: beneficia o condomínio possibilitando a queda de preço na taxa condominial, o que acaba por diminuir a inadimplência; beneficia a Companhia de Água e Esgotos com a menor inadimplência; beneficia os moradores que consomem água de forma racional, que passam a pagar o que efetivamente gastam, deixando de pagar o alto consumo de outros; beneficia o meio-ambiente com o menor consumo de água; e é justa com os moradores que gastam muita água, que também passam a pagar pelo volume efetivamente consumido (na realidade, devido ao sistema de “degraus” de custo por metro cúbico conforme consumo utilizado pela Caesb, em muitos casos mesmo os maiores gastadores acabam economizando com a conta de água individualizada).

O serviço de individualização do hidrômetro demanda planejamento e paciência, pois é necessário envolver todo o condomínio. Mas isso é suplantado pelos benefícios, que surgem imediatamente e duram por toda a vida. E o custo, que pelo valor normalmente demandará uma taxa extra, é pago em curto ou médio prazo pela economia proporcionada.

A individualização do hidrômetro vem se tornando obrigatória em alguns estados brasileiros, mas mesmo nos estados onde não é obrigatória, suas vantagens são tantas que não é necessário aguardar tal procedimento dos poderes públicos, partindo o quanto antes para o planejamento e a posterior implantação deste sistema.

De acordo com o Sr. Dimas, da CAESB, os condomínios interessados em implantar este sistema devem seguir as seguintes recomendações:

1. obter as informações técnicas junto à Companhia de Saneamento de sua cidade;

2. contratar empresa para fazer o projeto das modificações hidráulicas, apresentar orçamento e plano de obras para o síndico;

3. Após a escolha da empresa e antes do início da obra, registrar o projeto no CREA e submeter o mesmo à análise e aprovação da Companhia de Saneamento;

4. Solicitar vistoria final por parte da Companhia de Saneamento, onde serão avaliados o atendimento às exigências estabelecidas e o funcionamento das instalações hidráulicas.

No caso específico da CAESB, e que deve valer para a maioria dos estados brasileiros, é importante ter providenciar os seguintes documentos:

1. Carta de solicitação para individualização;

2. Ata de Assembléia do Condomínio, aprovada de acordo com a sua convenção e registrada em Cartório, demonstrando a concordância dos condôminos em implantar a medição individualizada e dando poderes ao síndico para assinar o termo de compromisso da CAESB, bem como o termo de doação de hidrômetros;

3. Ata de assembléia de eleição do síndico;

4. Original das Notas Fiscais de aquisição dos hidrômetros;

5. Termo de Compromisso assinado pelo síndico;

6. Termo de doação de hidrômetros, assinado pelo adquirente dos equipamentos;

7. Cópia do laudo de aferição do hidrômetro, emitido pela Companhia de Saneamento;

8. Relação constando o número do hidrômetro e o imóvel no qual está instalado;

9. Projeto de modificações hidráulicas de todo o prédio, devidamente registrado junto ao CREA;

10. ART do projeto e ART da obra.

O lado prático

Para se ter idéia dos elementos envolvidos em uma individualização, contactamos síndicos e a Caesb (Saneamento de Brasília), com o objetivo de trazer a experiência de quem já viveu o processo.

A Sra Gleidete, síndica do bloco H da SQN 308, um dos primeiros prédios do Plano Piloto a implantar a individualização do hidrômetro, relata os benefícios obtidos: a conta de água do condomínio, que ficava em torno de R$ 5.000,00 por mês, caiu para apenas R$ 33,00, permitindo diminuir a taxa de condomínio em R$ 100,00 e gerando uma queda de 66% na inadimplência do bloco.

Ainda, o Sr. João, funcionário do mesmo bloco, informa que viveu várias vezes o problema de ter de fechar o registro geral do prédio para que um serviço pudesse ser realizado em um dos apartamentos. Isto trazia reclamações de vários moradores, que tinham sua água cortada por um problema exclusivo de outra unidade. Após a individualização dos hidrômetros no bloco este problema foi sanado, pois quando um serviço precisa ser feito em uma das unidades, somente o registro de água daquela unidade é fechada, enquanto que os demais moradores ficam com o funcionamento normal.

De acordo com o Sr. César, da construtora Veloso e Ferreira, é necessário que “todos os apartamentos utilizem o mesmo sistema de descarga, sendo que o ideal é a utilização de bacias sanitárias em vez de válvulas, pois contribuem para um menor consumo de água”.

O Sr. Edilamar, da CAESB, adverte que prédios com sistema de descarga por válvula necessitam de cuidados especiais. Existem soluções que permitem efetuar a individualização do hidrômetro mantendo o sistema de válvula, mas eles são caros e exigem estudos técnicos para verificar sua viabilidade. Em geral, a melhor opção é a substituição do sistema de válvula pelas bacias sanitárias com caixa acoplada, que acrescentam a vantagem de consumir um menor volume de água para a descarga, contribuindo assim para o menor consumo.

Já o Sr. Messias Sobrinho, da Engemac Engenharia, alerta para a importância de se obter o compromisso de todos os moradores, pois a obra pode ser parcialmente inviável ou sofrer atrasos caso alguém se recuse a abrir o apartamento para a realização das obras.

Uma grande dificuldade é individualizar sem agredir a estética do prédio, tanto interna quanto externamente, uma vez que a adaptação traz novos itens (tubulações, hidrômetros) para a imagem do prédio.

O Sr. Rui, da Exata Representações, que também realiza o serviço de individualização de hidrômetro, utiliza o sistema com telemetria (leitura à distância) mediante representação exclusiva para o Distrito Federal e Goiás dos produtos fabricados pela CAS-Tecnologia. Apesar de não ser obrigatória, a telemetria facilita a leitura do consumo e permite que qualquer morador acompanhe, a qualquer momento, seu consumo, facilitando um controle mais apurado e evitando sustos com a conta de água do morador, que passará a pagar o que consumir.

A telemetria facilita, ainda, a localização de vazamentos, pois a CAS disponibiliza uma senha para o síndico ou administrador do condomínio acompanhar via Internet todo o consumo do prédio, bastando para isso ter um computador conectado à grande rede mundial, sem necessidade de se deslocar até o hidrômetro ou gastos adicionais com equipamentos.

Em qualquer tipo de condomínio horizontal ou vertical, naqueles que são protegidos por grades ou que não tem proteção de grade, o sistema por telemetria poderá auxiliar na segurança. Como o sistema permite a leitura à distância, quando a Caesb adotar este sistema não será necessária a presença de um agente para efetuar a leitura presencial. E como um dos focos de insegurança em prédios é justamente a entrada de bandidos disfarçados de funcionários de empresas que prestam serviços, este foco seria minimizado para os prédios equipados com individualização com telemetria.

Especial atenção deve ser dada aos prédios com tubulação separada para água quente. Por serem mais complexos, prédios com tal estrutura exigem uma análise diferenciada, de forma a gerar uma solução que não tenha custo maior do que o necessário.

Nunca é demais lembrar de regras básicas de contratação, principalmente quando valores mais altos estão envolvidos. Por isso, antes de contratar uma empresa, tome os seguintes cuidados:

1. Verificar o registro da empresa nos órgãos competentes;

2. Conhecer pessoalmente as instalações da empresa antes de fechar o contrato;

3. Não escolher a empresa somente pelo preço mais baixo;

4. Visitar clientes da empresa que já implantaram o serviço de individualização de água.

Não é comum existir um tipo de serviço que agrade a todos, mas isto acontece com a individualização do hidrômetro: mais justiça, mais economia, mais transparência e ecológico. Além do bolso dos condôminos e da administração do síndico, o meio-ambiente agradece a economia de água, um bem que se torna mais precioso a cada ano.

4 comentários:

  1. No meu condomínio fizemos a Instalação de Hidrômetro Individual, além da minha conta ter uma queda, as pessoas estão controlando bem mais os seus gastos, evitando desperdícios!!! achei uma ótima medida.

    ResponderExcluir
  2. Prezados,

    Gostaria de saber se a assembléia aprova a implantação da individualização de hidrômetros teria que obrigatoriamente concordar.Razões: o prédio tem muito tempo de construção, sendo considerado um edifício velho, temo que haja problemas durante o serviço e, ainda mais, vão ter que fazer uma obra interna na minha unidade, que envolve quebra de dois banheiros e não há garantia de que poderei repor as peças, já que não estão mais à venda no mercado. Outra coisa, o Condomínio quer que cada morador assine o contrato individual com a prestadora, o que acho muito complicado. Outra coisa: deveria haver unanimidade dos condôminos para realização dessa obra?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Sr. João.
      Em que cidade o Sr. mora? É importante verificar o que diz a lei em seu estado. Mas via de regra, edifícios antigos são "isentos" da individualização devido à inviabilidade técnica ou financeira.
      Não havendo impedimentos, a Assembleia deverá votar o "como" será feita a obra, decidindo se haverá um único contrato com o condomínio (o que gera maior dor de cabeça para o síndico) ou contratos individuais com cada morador.
      Havendo lei que determine a individualização e não havendo impedimento técnico-financeiro, a Assembleia não pode votar contrário à lei, portanto não haveria necessidade de unanimidade. Sequer haveria necessidade de aprovação sobre a realização ou não, mas apenas aprovação de "como" será realizada a individualização.
      Boa sorte,
      Susana

      Excluir
  3. Meu condomínio está localizado no Sudoeste e, apesar de várias tentativas, não conseguimos aprovar em assembleia a individualização da medição da água, por resistência de diversos condôminos que alegam que as obras necessárias à implementação do sistema no prédio vai causar muitos transtornos, como obras dentro das unidades.
    Pergunto: os proprietários insatisfeitos com essa situação, que querem a individualização do hidrômetro, podem realizar a individualização na sua Unidade? Como exigir o cumprimento da legislação ?
    Estamos nos organizando pra levar nosso pleito à Justiça e exigir nosso direito de pagar pelo consumo individual de água por Unidade.

    ResponderExcluir